Pesquisar neste blogue

domingo, 27 de março de 2011

Baixa de Lisboa

Rua Garrett

Por Carolina Santos

A Rua Garrett, para além de ser uma das ruas mais conhecidas de Lisboa, é o centro do Chiado. No século XX, foi ainda considerada como o pólo intelectual da cidade ribeirinha. Ligando o Largo do Chiado à Rua do Carmo, a Rua Garrett é fonte do grande comércio lisboeta. O café “A Brasileira”, por onde passaram grandes nomes da cultura portuguesa do século XX, e a primeira livraria Bertrand, fundada em 1732, são lugares de destaque deste magnífico local.
A agitação e a alegria são características únicas da Rua Garrett.

Rua Augusta

Por Bruna Santos

Considerada uma das ruas mais conhecidas de Lisboa, a rua Augusta é fechada ao trânsito desde os anos 80 e, como tal, convida a um passeio pelas diversas lojas e espaços de restauração. Nos seus dois extremos encontram-se a Praça do Rossio e a Praça do Comércio. As ruas paralelas à Rua Augusta dizem respeito aos ofícios/materiais que antigamente existiam nelas, tais como a Rua dos Sapateiros, Rua da Prata e Rua do Ouro. É possível observar, ainda, vários artistas de rua, artesãos e vendedores ambulantes.

Apesar de o terramoto de 1755 ter destruído parte deste local, o estilo arquitectónico levado a cabo pelo Marquês de Pombal é visível nos vários edifícios, que continuam intactos e bem preservados. O Arco Triunfal, classificado como Monumento Nacional desde 1910, é exemplo disso: o corpo central do arco apresenta uma decoração de caixotões esculpidos e uma roseta que assinala o fecho do arco de volta inteira; o lado virado para a Rua Augusta apresenta um relógio monumental, ornamentado com motivos vegetalistas, enquanto que no lado virado para o rio se pode observar o escudo real com as armas de Portugal.

Igreja Paroquial da Nossa Senhora da Encarnação

Por Carolina Santos

 
A Igreja da Encarnação está situada em pleno centro da cidade de Lisboa, no magnífico e conhecido Largo do Chiado. Inaugurada a 1708, foi mandada edificar por D. Elvira de Vilhena, Condessa de Pontével.
Para a construção desta igreja, foi necessária a demolição de parte da Muralha Fernandina do século XIV e de uma torre de vigia. Com o terramoto de 1755, o monumento foi maioritariamente destruído. As obras de restauro iniciaram-se em 1784 e apenas terminaram em 1875, um século depois. O plano de reconstrução foi feito pelo Arquitecto Manuel Caetano de Sousa, sob orientação do Marquês de Pombal, e procedeu-se a uma significativa alteração da sua arquitectura inicial.
A fachada da Igreja da Nossa Senhora da Encarnação apresenta um estilo Neoclássico e figuras de Santa Catarina que faziam parte da antiga porta medieval. No interior encontra-se uma fantástica escultura de Nossa Senhora da Encarnação, de Machado de Castro.

Contactos
Morada: Largo do Chiado, nº15
              1200-108 Lisboa
Telefone: +351213424623
 

Igreja do Sacramento

Por Bruna Santos

A Paróquia do Santíssimo Sacramento, inaugurada em 1584, é considerada "um grito da fé do Povo de Lisboa".
Quem visita a igreja, reconstruída após o terramoto de 1755, pode constatar que é a única em Lisboa virada para poente, sendo que o seu pórtico, voltado para oriente, pretende transmitir a importância da luz ("o sol que ilumina e é a fonte de vida, do cristão e da Igreja").
Após o terramoto, a igreja, sem obras de conservação durante muito tempo, ficou num estado de pré-ruína. Actualmente, a Paróquia dos Mártires, da qual pertence, apela à generosidade do povo de Lisboa (e não só) para que se possa ser feito o seu restauro e as obras necessárias. 

Para quem visita...

Todos os elementos decorativos convergem para a misteriosa presença de Cristo na Eucaristia.
No sacrário, é possível vislumbrar uma enorme tela da Ceia do Senhor, bem como diversas figuras de anjos em adoração ao Cordeiro Pascal. Nas paredes laterais, oito telas representando os quatro Evangelistas os quatro Doutores Maiores da Igreja. No tecto, a Pomba do Espírito Santo, rodeada por símbolos da Eucaristia.
Pode, ainda, observar-se imagens barrocas provenientes dos Conventos vizinhos, tais como a de São Miguel, a de Nossa Senhora de Fátima e do Sagrado Coração de Jesus, diante da qual foi feita a consagração da Freguesia do Sacramento. De enfatizar, também, as 8 lanternas em prata e o órgão ibérico no coro-alto.
A visita poderá ser concluída com a apreciação dos tectos das sacristias, dos célebres azulejos que decoram as salas das tribunas e da talha do monumental trono.


Contactos

 Calçada do Sacramento,
11 1200-393 Lisboa
Telefone: 213 425 369
E-mail: igrejadosacramento@net.vodafone.pt

Informações úteis

Abertura e Fecho:

  • Segunda a sexta-Feira: das 12h às 17h
  • Sábado: das 15h às 18h
  • Domingo: das 15h às 19h

Horários das Missas:

  • Segunda a Sexta Feira: 16h15
  • Sábado (dominical): 17h
  • Domingo: 16h15 e 18h (em latim)
DÁ-NOS A TUA OPINIÃO!


Esta secção é também destinada a ti. Mostra-nos os teus pontos de vista (o que mais gostas, o que mudarías) e dá-nos a tua sugestão. Baixa-Chiado, um local a descobrir!

Elevador de Santa Justa

Por Carolina Santos

Conhecido por ser um dos monumentos mais interessantes da cidade de Lisboa, o Elevador de Santa Justa, também designado como Elevador do Carmo, foi criado por Raoul Mesnier du Ponsard, um engenheiro português de origem francesa. O monumento foi inaugurado a 10 de Julho de 1902, altura em que ainda trabalhava a vapor, e só por volta de 1907 começou a funcionar a energia eléctrica.
O Elevador de Santa Justa liga a zona da Baixa ao Bairro Alto, subindo aproximadamente 45 metros. Tem capacidade para transportar 45 passageiros em cada cabine, sendo constituído por duas feitas de madeira com pormenores em latão.
Ao nível do design, o primeiro elevador vertical de Lisboa a prestar um serviço público apresenta um estilo neogótico romântico e é constituído inteiramente por ferro fundido.
No topo deste ponto de visita obrigatória encontra-se um café, que oferece aos seus visitantes uma fantástica vista sobre o Rossio, a Baixa de Lisboa, o Castelo de São Jorge, as ruínas da Igreja do Convento do Carmo e o Rio Tejo.

Quem quiser subir neste magnífico monumento, pode comprar o seu título de transporte na bilheteira que se encontra atrás do Elevador, nos degraus da Rua do Carmo. O bilhete é válido para duas viagens e tem um custo de 3 euros.

Não deixem de o visitar!

 Fotografia de Carolina Santos

História

Baixa de Lisboa - antes de 1755
Por Bruna Santos

A baixa de Lisboa, também conhecida por “Baixa Pombalina, apresentava-se profundamente medieval antes do terramoto de 1755. As suas ruas, na maioria estreitas, entrelaçavam-se, em padrões confusos, ficando as praças viradas para o rio. O Terreiro do Paço era visto como o centro político da cidade, e a sua importância justificava-se pela existência do grande porto que abastecia o país com matérias-primas importadas do Brasil.

Terramoto de 1755

Considerada a maior catástrofe natural da História do nosso país, o terramoto de 1755 vitimou entre 12 000 a 15 000 pessoas e destruiu cerca de 10 000 edifícios. O violento terramoto foi acompanhado por um maremoto que varreu o Terreiro do Paço e por um gigantesco incêndio que, durante 6 dias, completou o cenário de destruição de toda a Baixa de Lisboa.
Nesse mesmo ano, o problema da reconstrução centrou-se na questão de construir uma nova cidade sobre os escombros da antiga ou construir uma nova cidade em Belém, zona menos sujeita a abalos sísmicos. Foi escolhida a primeira das soluções. Foi então que se ergueu a Praça do Rossio, o Arco da Rua Augusta e as ruas paralelas e perpendiculares tal como são actualmente concebidas.
No entanto, alguns monumentos, como o Convento do Carmo, não foram restaurados, para simbolizar o trágico acontecimento.

Baixa de Lisboa - após 1755

À cidade medieval de ruas estreitas deu lugar um traçado racional de linhas rectas, cuja altura dos prédios é semelhante. De toda a cidade pombalina, assim designada por ter resultado da obra de reconstrução do Marquês de Pombal, destaca-se a Praça do Comércio, considerada "sala de entrada" da cidade, com a estátua equestre de D. José I, monarca da altura.
Actualmente é um dos locais mais visitados da cidade. Os seus edifícios apresentam uma arquitectura semelhante - com rés-do-chão comerciais e andares superiores para habitação - , enquanto que as suas estruturas são anti-sísmicas, como forma de prevenção de um novo terramoto.
A 7 de Dezembro de 2004, a baixa lisboeta tornou-se candidata a Património Mundial. Alguns dos seus principais pontos de interesse turísticos são o Elevador de Santa Justa, a rua Augusta, a Praça do Comércio e os armazéns do Chiado.
Aproveite para visitar a exposição "Eu fui uma testemunha" sobre o 5 de Outubro de 1910 em Lisboa, na Galeria de Exposição dos Paços do Concelho, na Praça do Município. Esta vai estar exposta até ao dia 29 de Abril e a entrada é livre.

De 2ª à 6ª, das 10:00 às 20:00 e aos domingos das 10:00 às 18:00.

Divirta-se e conheça um pouco mais da nossa história!

Carolina Santos


Quem Somos

Somos duas alunas da Escola Superior de Comunicação Social, situada em Benfica, Lisboa e estamos no 1º ano do curso de Jornalismo.
A escolha deste local prende-se com o facto de este ser um pontos de referência da cidade, nomeadamente ao nível turístico.
Criámos este blog com o objectivo de conhecer um pouco melhor esta cidade, nomeadamente a zona da Baixa-Chiado. Para além disto, queremos ser as "porta-vozes" desta região, ajudando a divulgar os seus locais de interesse público e possíveis eventos.
Tencionamos também entrar em contacto com a população de forma a perceber os principais problemas e carências deste sítio.

Carolina Santos (blog pessoal) - http://www.dadossobreamesa.blogspot.com/

segunda-feira, 21 de março de 2011

Exposição

Aproveite para visitar a exposição "Eu fui uma testemunha" sobre o 5 de Outubro de 1910 em Lisboa, na Galeria de Exposição dos Paços do Concelho, na Praça do Município. Esta vai estar exposta até ao dia 29 de Abril e a entrada é livre.

De 2ª à 6ª, das 10:00 às 20:00 e aos domingos das 10:00 às 18:00.

Divirta-se e conheça um pouco mais da nossa história!